Você provavelmente já ouviu falar sobre um conjunto preocupante de sintomas emocionais de saúde que marcam o Transtorno Obsessivo-Compulsivo, também chamado de “TOC”, não é mesmo?

A ideia deste texto é apresentar de maneira breve e simples os 4 principais sinais de que uma pessoa apresenta TOC, assim como 5 dicas de tratamentos mais comumente usados e eficazes, o 5º pode você pode tentar ainda hoje.

O TOC é um tipo de transtorno de ansiedade, portanto, uma pessoa com Transtorno Obsessivo-Compulsivo provavelmente se sentirá nervosa e ansiosa, pelo menos ocasionalmente.

Nos demais transtornos de ansiedade o que inicia a resposta ansiosa é um elemento externo, um objeto ou uma situação, enquanto no TOC esse elemento de “perigo” é um pensamento, uma imagem ou um impulso que a pessoa tenta evitar.

4 Sinais de Transtorno Obsessivo-Compulsivo

Você tem algum desses possíveis sinais de TOC?

1. Repetição de um comportamento específico. Embora esse sintoma pareça inocente, aqueles com TOC tendem a fazer algo repetidamente de uma forma quase ritualística. Aqui estão alguns exemplos:

  • Ligar e desligar o interruptor de luz diversas vezes antes de se se deitar para dormir;
  • Verificar repetidamente se suas portas estão trancadas à noite, mesmo sabendo que você já as verificou várias vezes;
  • Contar sozinho o número de passos enquanto você vai de um lugar para outro;
  • Em essência, você se sente obrigado(a) a executar e refazer determinadas ações. Pode até parecer que isso está fora de seu controle. Essas repetições são referidas clinicamente como “compulsões”.

2. Ter pensamentos dos quais você não consegue se livrar. Comumente chamados de “obsessões”, os pensamentos obsessivos parecem continuar aparecendo e persistem em sua mente. Não importa o que você tente, você não consegue se desligar do pensamento. As obsessões podem mantê-lo(a) acordado(a) à noite ou impedir que você seja tão produtivo(a) quanto deveria ser.

3. Perceber que suas obsessões e compulsões são incomuns. Mesmo que você esteja vivenciando uma parte normal de uma doença emocional, você pode ver que ela está fora do domínio do comportamento normal.

4. As obsessões e compulsões não são causadas por medicamentos ou por uma doença. É muito importante para os profissionais de saúde mental descartar essas coisas antes de diagnosticar que alguém está com Transtorno Obsessivo Compulsivo.

Além disso, essas obsessões ou compulsões devem prejudicar o seu dia e consumir uma parte considerável de seu tempo diário para gerenciá-las, a fim de receber um diagnóstico de Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Seu funcionamento em atividades normais, como passeios sociais, trabalho ou atividades acadêmicas, deverá estar prejudicado por seus sintomas.

5 Formas de Aliviar os Sintomas do Transtorno Obsessivo-Compulsivo

A seguir, estão listadas as principais formas de diminuir os sintomas do TOC:

1. Psicoterapia. Há fortes evidências de que que conversar com um especialista sobre como você se sente e as escolhas que você faz pode reduzir seu nível de ansiedade. Obter o controle de sua ansiedade é a principal chave para reduzir ou interromper o TOC e a psicoterapia pode ajudar muito nesse aspecto.

2. Terapia Cognitivo-Comportamental, especificamente. Esse tipo de psicoterapia ajuda a analisar racionalmente os pensamentos e depois ajustar seus comportamentos de acordo com eles.

Com a Terapia Cognitivo Comportamental, você aprenderá a gerenciar sua ansiedade e fazer escolhas que ajudarão a evitar os pensamentos (obsessões) e comportamentos (compulsões) perturbadores.

3. ISRS (Medicação). Existe um grupo de antidepressivos chamado ISRS que são frequentemente prescritos para aqueles que sofrem de TOC. ISRS significa “Inibidor Seletivo da Recaptação da Serotonina”. Uma lista comum de ISRSs inclui Anafranil, Celexa, Effexor, Lexapro, Paxil, Prozac e Zoloft.

4. Antidepressivos Tricíclicos (Medicação). No caso em que os ISRS não respondem adequadamente para reduzir os sintomas do TOC, um médico provavelmente tentará uma classe de medicamentos formulados há vários anos chamada “antidepressivos tricíclicos”. Costumam ser mais fortes e ter mais efeitos colaterais.

5. Parada no Pensamento. A “parada do pensamento” é uma técnica de autocontrole, também utilizada na Terapia Cognitivo Comportamental, que consiste em formular uma instrução em voz alta comandando que um pensamento indesejado pare. É muito útil para ajudar a dissipar seus pensamentos repetitivos. Ao parar e observar seus pensamentos, você se treina a reconhecer os pensamentos perturbadores assim que eles começam.

  • Essa técnica ajuda a lidar com pensamentos perturbadores antes que eles estejam fora de controle.
  • Quando você reconhece que os pensamentos problemáticos estão interferindo na sua vida normal, você imagina um grande sinal vermelho de parada e diz: “Pare!” Em seguida, você substitui a imagem do sinal de parada por algo mais agradável, como uma praia com a maré chegando ou uma chuva moderada. Pensar nessa cena ajudará a dominar os pensamentos problemáticos.

Além disso, vale ressaltar que, no longo prazo, os tratamentos altamente estruturados funcionam melhor do que os medicamentos psicotrópicos (Barlow & Durand, 2008), porém cada caso deve ser avaliado individualmente.

Se você ou alguém que você ama experimenta os sintomas desafiadores do Transtorno Obsessivo Compulsivo, reconheça que existem alguns tratamentos incrivelmente eficazes para levá-lo de volta a uma jornada de vida mais pacífica. O principal, neste momento, é saber que você não está sozinho(a), e buscar ajuda de um profissional de saúde mental.

Referências:

Barlow, D. H & Durand, V. M. Psicopatologia: uma abordagem integrada. São Paulo: Congage Learning, 2008.

Veja também: Transtorno Obsessivo-compulsivo: algumas considerações, (2020). [link]

Esta página foi útil?
SimNão
73 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *